REGÊNCIA VERBAL

Desvendando a Regência Verbal: Um Guia para Concurseiros

Olá, pessoal! Hoje, vamos mergulhar em um dos tópicos mais fascinantes e, ao mesmo tempo, desafiadores da gramática portuguesa: a regência verbal. Se você está se preparando para concursos públicos, entender esse conceito é fundamental, pois ele é frequentemente testado nas provas. Vamos descomplicar a regência verbal e mostrar que, sim, é possível dominá-la!

O Que é Regência Verbal?

A regência verbal diz respeito à relação que o verbo estabelece com seus complementos. Esse “comando” que o verbo exerce pode exigir ou não uma preposição. Por exemplo, no caso de “comprei a casa”, o verbo “comprar” é transitivo direto, pois conecta diretamente ao seu objeto (a casa) sem preposição. Já em “Pedro investe em ações”, o verbo “investir” é transitivo indireto, exigindo a preposição “em” para ligar-se ao seu complemento (ações).

A Polêmica da Regência no Dia a Dia

No cotidiano, muitos de nós usamos a regência de maneira diferente daquela prescrita pela norma culta, o que pode levar a erros em provas de concursos. Vamos a alguns exemplos polêmicos:

O Verbo “Aspirar”

“Aspirar” pode significar “sorver” ou “almejar”, e sua regência muda conforme o sentido. Quando significa “sorver”, é transitivo direto: “Ele aspira o ar puro”. Já no sentido de “almejar”, é transitivo indireto: “Ele aspira ao cargo de diretor”. A banca examinadora adora explorar essa mudança de regência!

O Verbo “Agradar”

Outro exemplo é o verbo “agradar”. Usualmente, dizemos “A proposta me agradou”, mas, segundo a norma culta, quando “agradar” significa “satisfazer”, ele é transitivo indireto e exige a preposição “a”: “A proposta agradou a todos os funcionários”.

O Verbo “Atender”

“Atender” é um verbo de regência livre, podendo ser usado tanto de forma direta quanto indireta sem alteração de sentido: “O dono da casa atendeu o telefone” ou “O dono da casa atendeu ao telefone”. Essa flexibilidade é uma fonte comum de confusão.

O Verbo “Assistir”

Por fim, “assistir” no sentido de “presenciar” é transitivo indireto e requer a preposição “a”: “Recomendamos que os jovens assistam a vários debates”. No entanto, no sentido de “prestar ajuda”, ele é preferencialmente transitivo direto: “É preciso assistir os necessitados”.

Como Dominar a Regência Verbal?

Para conquistar a regência verbal, é essencial conhecer os verbos que frequentemente aparecem em provas e entender como a gramática prescreve seu uso. Embora no dia a dia possamos cometer deslizes, na hora da prova, não há espaço para erros. A regência verbal não só revela a riqueza da nossa língua, mas também testa nossa atenção aos detalhes e nossa capacidade de aplicar a norma culta.

Espero que este guia tenha esclarecido suas dúvidas sobre regência verbal e mostrado que, com estudo e prática, é possível dominar esse tópico tão importante para os concursos públicos. Se você gostou deste post, compartilhe com amigos que também estão nessa jornada de estudos e deixe seu comentário abaixo com dúvidas ou sugestões para futuros tópicos. Até a próxima!

Passaporte da Aprovação
Português na Teoria e na Prática

Você só vai precisar de 30 minutos do seu dia de dedicação e seguir o passo a passo das aulas para obter resultados extraordinários. Mesmo que você saiba pouca coisa sobre Língua Portuguesa ou esteja começando do absoluto zero..

© 2024 - Prof. Fabrício Dutra - Todos os Direitos Reservados