SUGEITO E CONCORDÂNCIA

A Lógica da Língua: Sujeitos Indeterminados e Verbos Impessoais

Olá, pessoal! Aqui é Fabrício Dutra, trazendo mais um conteúdo valioso para vocês. Hoje, vamos desbravar o universo gramatical dos sujeitos indeterminados e dos verbos impessoais. Ao final deste post, prometo que você vai conseguir dormir tranquilo, com a cabeça cheia de conhecimento!

Sujeito Indeterminado e o Infinitivo

Você já se deparou com frases onde o verbo está no infinitivo e parece que ninguém está realizando a ação? Por exemplo, “comprar a casa é essencial”. Aqui, “comprar” está no infinitivo, e não sabemos quem está comprando. Esse é um caso clássico de sujeito indeterminado, uma situação onde o verbo não aponta para um agente específico.

Sujeito Oracional: A Oração como Sujeito

Outro ponto interessante é o sujeito oracional. Isso ocorre quando uma oração inteira assume a função de sujeito. Por exemplo, “é importante que todos compareçam”. O que é importante? Que todos compareçam. Aqui, a oração “que todos compareçam” é o sujeito de “é importante”, formando um sujeito oracional.

Oração Sem Sujeito: Os Verbos Impessoais

E quanto às orações sem sujeito? Elas ocorrem com os chamados verbos impessoais, que não se referem a um sujeito específico. Os mais comuns são:

  • Haver no sentido de existir, ocorrer ou acontecer. Exemplo: “Havia novos alunos na classe”.
  • Fazer indicando tempo decorrido. Exemplo: “Faz meses que não te vejo”.
  • Verbos que indicam fenômenos da natureza. Exemplo: “Choveu na montanha”.

Cuidado com os Verbos Impessoais!

Um ponto de atenção: verbos como “haver” e “fazer”, quando usados em contextos impessoais, devem permanecer no singular. Dizer “Haviam novos alunos” é um erro comum que deve ser evitado.

Sujeitos Partitivos e a Concordância Verbal

Agora, vamos falar sobre os sujeitos partitivos, como “a maioria dos alunos”, “uma parte dos convidados”, etc. Aqui, a concordância verbal pode ser feita tanto com o núcleo do sujeito partitivo (singular) quanto com o especificador (plural). Por exemplo, “Grande parte dos alunos entendeu/entenderam a matéria”.

Praticando com Questões

Para solidificar o aprendizado, é crucial praticar com questões de concursos e provas. Lembre-se: a gramática da língua portuguesa tem suas peculiaridades, mas com atenção e estudo, é possível dominá-la.

Conclusão

Espero que este post tenha esclarecido algumas das suas dúvidas sobre sujeitos indeterminados, verbos impessoais e a concordância verbal com sujeitos partitivos. A língua portuguesa é rica e cheia de nuances, mas com dedicação, todos podemos aprender a navegar por suas regras.

Não se esqueça de se inscrever no canal, ativar as notificações e deixar seu like. Compartilhe suas dúvidas e sugestões nos comentários. Até a próxima, família!

Passaporte da Aprovação
Português na Teoria e na Prática

Você só vai precisar de 30 minutos do seu dia de dedicação e seguir o passo a passo das aulas para obter resultados extraordinários. Mesmo que você saiba pouca coisa sobre Língua Portuguesa ou esteja começando do absoluto zero..

© 2024 - Prof. Fabrício Dutra - Todos os Direitos Reservados